Os medos podem funcionar como impeditivos ao nosso crescimento. Se não conseguirmos superá-los, eles funcionam como se estivéssemos acorrentados a uma bola de ferro. Quanto maior o medo, maior será a bola de ferro. Diminuir nossos medos ou não tê-los como obstáculos nos dá a condição ideal para iniciar o nosso processo de desenvolvimento pessoal.

É bom saber que sendo o medo uma emoção, por maior que ele seja, perde espaço quando confrontado com a razão. Isto porque é na razão que está a compreensão e o aprendizado, duas potentes ferramentas para o crescimento pessoal, se soubermos utilizá-las adequadamente.

Sempre que nos predispomos a fazer mudanças, especialmente para desenvolver determinadas áreas da vida pessoal ou profissional, é muito importante ter os pés no chão em relação ao passo que desejamos dar. Para isso precisamos, antes de qualquer coisa, de informação.

Com base na informação, começamos a entender o assunto que despertou o nosso interesse e a construir a nossa percepção individual sobre ele. Essa percepção, construída por esta teia de informações bem estendida, vai motivar a experimentação, a colocar em prática aquilo que lemos, ouvimos e intelectualmente entendemos.

O próximo passo é o exercício prático da informação armazenada, pois informação sem conhecimento prático torna-se inútil. Muita gente ainda confunde o acesso a dados e informações com aprendizado completo e, por isso mesmo, de vez em quando, vemos pessoas participarem de um treinamento, anotar uma porção de dados e, logo em seguida, saírem ministrando o mesmo programa como se possuíssem vasto conhecimento sobre o assunto.

O passo a passo para uma mudança sustentável em qualquer aspecto de nossas vidas pressupõe vivenciar as etapas do Entender > Querer > Aprender > Fazer.

A cada etapa um pouco mais será exigido de cada um de nós. Entender exige um movimento mental. Querer de fato já é algo mais difícil, exige também um envolvimento emocional. Aprender nos pede concentração e energia porque, além do mental e do emocional, requer também o tempo físico. E, finalmente, fazer exigirá talvez 5% de inspiração e 95% transpiração. Transpirar significa por a mão na massa, suar e, talvez, derramar algumas lágrimas. Mas se você tiver feito certo, vai ter um orgulho muito grande do que conseguiu produzir.

Por Jorge Matos, Presidente da ETALENT

Compartilhe com seus amigos:


Deixe seu comentário:

Assine nossa newsletter | ETALENT