Guia Completo Metodologia DISC

A gente pode dizer que as noites de domingos nunca foram tão especiais quanto as que permeiam o universo mágico e imprevisível de Game of Thrones. A série – que chegou a sua derradeira temporada neste ano – conquistou milhões de fãs nos últimos anos.

Com uma trama repleta de histórias ricas e personagens únicos, Game of Thrones é capaz de transcender o espetáculo artístico e nos ensinar bastante sobre diferentes temas. Um dos destaques é a liderança dentro dos Sete Reinos. Afinal, todo mundo quer sentar no cobiçado Trono de Ferro, não é?

Ainda restam mais três domingos para o desfecho da saga e, após a Batalha de Winterfell e tudo o que rolou ontem (que episódio!), mistérios e apostas não faltam para os fãs. Que tal analisarmos os possíveis ocupantes do trono e seus perfis de comando?

Fique tranquilo[a], esse post está livre de revelações sobre o enredo do último episódio. Valar Spoilers!

Syrio Forel e Arya Stark

Game of Thrones: Jon Snow  Jon Snow: ele sabe muita coisa, afinal

O (nem tanto) bastardo mais desventurado de toda a Westeros sabe bem a dificuldade que é liderar pessoas. Eleito o 998º Senhor Comandante da Muralha no início da quinta temporada, o mais jovem líder dos patrulheiros sentiu na pele (literalmente) o gerenciamento de conflitos entre os liderados.

De integridade, lealdade e bravura comprovadas, Jon sempre foi uma inspiração para os que confiam em suas ideais. Todavia, mesmo sendo um líder forte e de grande talento, ter deixado os patrulheiros e selvagens sob o mesmo teto custou sua vida. Podemos dizer que faltou uma dose de Influência ao jovem – algo que não pode faltar a um pretendente do Trono de Ferro.

Game of Thrones: Daenerys Targaryen Daenerys Targaryen: fogo e sangue (até demais)

Última mulher da linhagem Targaryen, a fervorosa mãe dos Dragões e rainha de muita gente (sério, não dá pra acompanhar o tanto de gente que ela ajudou) é forte candidata ao trono. Não apenas pela sua válida reivindicação e poderosos dragões: Daenerys sabe como persuadir seus apoiadores e intimidar seus antagonistas quando precisa.

Determinada e disposta a assumir riscos, a jovem rainha sabe adaptar seu comportamento como ninguém. Objetiva nas ordens e decisões, simpática na hora de buscar alianças e boa ouvinte quando o assunto é lidar com seu povo. Apesar não ser muita atenta aos detalhes políticos, ela buscou alguém que a complementasse na busca pelo reinado – e não a toa Tyrion Lannister torna-se a mão da Rainha.

A rainha dragão provou que sabe escolher os melhores aliados, ganhar respeito e admiração dos seguidores e ter um propósito nobre caso lidere Westeros. Nossa preocupação aqui é seu controle emocional: o temperamento de Daenerys por vezes prejudica a qualidade de suas decisões – como quando ela não poupa os Tarly de sua ira. E para quem busca liderar o reino, nem sempre fogo e sangue é a melhor resposta.

Game of Thrones: Arya Stark Arya Stark: disciplina, foco e execução

Nossa jovem nortista foi moldada para lutar. Atraída desde a infância pela aventura das batalhas, Arya Stark viu seu pai ser assassinado sem poder fazer nada. Tal sentimento de impotência foi o ponto de virada para a menina conhecer o outro lado do mar estreito – e aprender tudo o que podia.

Sinceridade, coragem, disciplina e curiosidade são as qualidades mais notáveis de Arya. Mesmo com todo o desgaste físico e emocional da Casa do Preto e Branco de Braavos, a jovem Stark absorve um nível de foco e execução que todo líder deveria ter – principalmente quando o inimigo é você mesmo.

Admirada pelas suas habilidades e determinada a cumprir com sua lista de mortes, resta a Arya reaprender a trabalhar em equipe. Como vagou por Westeros e Essos praticamente sozinha, nossa pequena guerreira precisa entender que nem todas as missões se realizam individualmente. Será que ela provou seu valor no último episódio? E nos próximos? Resta assistir e tirar nossas conclusões.

Game of Thrones: Tyrion Lannister  Tyrion Lannister: genialidade e protagonismo

O anão mais genioso de Game of Thrones é outro forte candidato ao trono. Afinal, caso algo aconteça a Daenerys, ele é seu homem de maior confiança e segundo em comando na campanha da rainha Targaryen.

E deveria ser mesmo. Vítima constante de decepções e zombarias, Tyrion não cansa de provar seu valor nas grandes batalhas que Westeros já enfrentou. Foi assim na emboscada contra Catelyn Stark no caminho do Vale, na Batalha da Água Negra contra Stannis, no cerco a Meereen… Cada oportunidade de demonstrar planos inteligentes e eficazes deram a Tyrion ótimas qualificações para liderar Westeros.

Tão carismático quanto estudioso, o grande desafio de Tyrion é provar a si mesmo que é suficientemente digno de tal dever. Sempre a sombra de outros comandantes, talvez falte ao anão um pouco de autoconfiança no seu trabalho (e um pouco menos de vinho nas reuniões).

Game of Thrones: Sansa Stark Cersei Lannister: determinação a todo custo

A rainha regente pode considerar-se, de certa forma, um passo à frente dos demais. Afinal, Cersei é quem senta no Trono de Ferro atualmente. Após perder todos os filhos, pai e irmãos (pelo menos a admiração dos últimos), a representante da casa Lannister passou por muitos perrengues durante os anos de regência em Westeros.

Dona de uma personalidade forte, não há dúvidas da capacidade estratégica de Cersei. Incansável, já demonstrou que superar revezes e derrotar seus adversários é seu esporte favorito (mesmo que isso custe uma explosão de fogo-vivo na capital). A grande questão aqui fica por conta de sua sede pela vingança.

Aparentemente grávida e com apoio da frota de ferro (representada por Euron Greyjoy), sua busca pela vitória e vingança a todos que fizeram mal a sua casa/família custou caro: Cersei provou não se importar com causas maiores (a guerra no norte) e, pela falta de palavra, perdeu seu irmão e amante Jaime Lannister. Afinal, quem governar Westeros precisa demonstrar valor à palavra… ou não?

Game of Thrones: Sansa Stark  Sansa Stark: resiliência e inteligência

No fim de nossa lista, temos a irmã Stark mais velha. Sansa é a prova viva de resiliência que Game of Thrones apresenta. Após a morte de Ned Stark, seu pai, a donzela simplesmente passou por três casamentos — todos com sua dose de fracasso e sofrimento (em especial o último).

Vítima de abusos físicos e morais dos falecidos Rei Joffrey e Ramsen Bolton, Sansa não apenas sobreviveu ao desgaste emocional das infelicidades que passou, como amadureceu e buscou vingança… de maneira resiliente e paciente.

Retornando a Winterfell, ela demonstrou a todos sua capacidade de liderar o Norte. Não fosse sua influência diante do Ninho da Águia, seu irmão Jon fatalmente teria perdido a Batalha dos Bastardos – e consequentemente o controle de Winterfell. Ainda lhe sobrou frieza e caráter ao punir o Mindinho pelos seus crimes contra a Casa Stark. Enfim, não podemos ignorar a hipótese de Sansa no Trono de Ferro – mesmo que não seja a intenção da herdeira de Eddard Stark.


Quem você quer ver reinando em Game of Thrones?

Então, em quem você aposta no reinado dos Sete Reinos? Tem alguém fora da lista que você gostaria de ver sentando no Trono de Ferro? Diga para a gente nos comentários!

Aproveite e baixe nosso ebook “como montar um plano de gestão de talentos na sua empresa”  ⚔️

 

Compartilhe com seus amigos:


Deixe seu comentário: