Ter um retorno sobre seus planos, palavras e ações é fundamental para o ser humano como ser social que ele é.

É com base nas respostas que recebemos desde a mais tenra idade que aprendemos a diferenciar o certo do errado e a ponderar sobre os nossos atos. No mercado de trabalho, porém, dar este retorno pode ser mais traumático do que deveria.

Quer saber a importância do feedback para a gestão de desempenho em sua empresa? Acompanhe o post de hoje!

Qual a importância do feedback construtivo?

Todos gostam de receber um feedback positivo. Acontece que, quando ele é negativo, as relações entre quem dá e quem recebe o feedback podem se complicar. Afinal, qual é a forma correta de apresentar críticas negativas sem que a equipe fique desestimulada?

Um dos pontos essenciais é ter a certeza de que o feedback terá a intenção de agregar valor e boas práticas as atividades do dia a dia. Outro aspecto importante é focar no comportamento e no contexto específico, sem fazer julgamentos morais.

Pensemos em quem é a pessoa que dá e quem é a que recebe o feedback. Se quem dá é um líder que inspira, toda a crítica será vista com bons olhos por aquele que é criticado, que tem grandes chances de rever seus conceitos e moldar seus comportamentos por acreditar que aquilo realmente fará bem a si e à equipe que integra.

Mas, se o líder não é respeitado por quem está recebendo o feedback, o retorno nunca terá qualidade e efetividade, por ser sempre visto como um comentário destrutivo, que se propõe a gerar insegurança e instabilidade. Da mesma forma, a recepção do feedback também muda de acordo com o perfil comportamental de cada pessoa.

Como adequar o feedback a cada tipo de perfil comportamental?

Indivíduos com perfil Dominante — rápidos e firmes em suas decisões — provavelmente terão facilidade em identificar aplicações práticas do feedback recebido em suas atividades. Já aqueles que apresentam perfil Influente podem ter mais dificuldade em receber a crítica por medo de perderem o reconhecimento da empresa, algo que consideram importante.

Por isso é fundamental que cada gestor conheça o perfil do funcionário que receberá o feedback, a fim de alinhar o tipo de comunicação ideal para causar um impacto positivo no profissional avaliado.

Outro ponto essencial é que todo feedback tenha sempre caráter construtivo. Crítica destrutiva não leva a lugar nenhum. Uma boa crítica deve apontar e corrigir o que deve ser melhorado, com discrição, sutileza e objetividade. Qualquer postura passional, que demonstre menosprezo, raiva ou depreciação, é capaz somente de gerar efeito retrógrado ao que se deseja, partindo do pressuposto de que é interesse comum agregar conhecimento, comportamentos e habilidades.

Como dar um feedback negativo?

O feedback negativo tende sempre a carregar uma dose desestimulante para quem o recebe. Por isso, a mensagem deve sempre deixar claro que é baseada na confiança do líder sobre o seu colaborador e na crença de que o trabalho dele pode melhorar. Afinal, a proposta não é humilhar,e sim incentivar o funcionário, ajudando-o a tomar boas decisões e optar pelo melhor caminho.

Quando dado de maneira correta, um feedback negativo tem maior chance de ser visto como uma oportunidade de aprendizado. Quem recebe pode até mesmo agradecer a oportunidade de melhorar o desempenho do seu trabalho, procurando aprender com quem faz a crítica. Escutar, perguntar e ter vontade e disposição para aprender é o melhor conselho para quem pretende crescer profissionalmente.

Para que as práticas de feedback ocorram da melhor forma possível é necessário que a empresa invista em treinamentos, principalmente para as lideranças. Essas ações devem visar tornar as pessoas hábeis para dar e receber feedbacks, sensíveis ao momento oportuno para isso e, o mais importante, ensiná-las a incorporar os feedbacks relevantes no cotidiano de trabalho.

É importante que o feedback seja uma via de mão dupla, ou seja, que os líderes também estejam abertos a recebê-los e, mais do que isso, que solicitem a opinião de seus liderados constantemente. Essa abertura melhora a confiança e a comunicação entre a equipe, o que favorece um ambiente acolhedor e colaborativo em toda a empresa.

Ao servir como bússola, orientando o caminho a ser seguido, a prática de feedback contribui para a correção de erros humanos nos processos realizados pela organização. Além disso, quando há liberdade para a expressão de todos os funcionários, também deixa- os mais à vontade para apontar falhas processuais técnicas, o que é relevante para a redução de custos empresariais e para o aumento da efetividade.

Qual o valor do feedback para a cultura organizacional da empresa?

Quando a cultura organizacional se torna eficiente na incorporação de práticas de feedback a organização percebe os resultados positivos dessa política com facilidade. Há um aumento na produtividade e na qualidade dos produtos ofertados, pois cada profissional é estimulado a se aperfeiçoar constantemente, o que impacta na atuação de toda a equipe.

Nesse cenário os feedbacks positivos também assumem papel essencial, pois evidenciam para os trabalhadores comportamentos e atitudes que devem ser mantidos e que são favoráveis ao crescimento organizacional. Ademais, é uma ferramenta que aumenta o índice de satisfação, pois traz reconhecimento e bem-estar aos profissionais.

Suponhamos que um profissional tenha se dedicado muito para entregar um projeto e tenha tido sucesso nessa tarefa. Ao ouvir um bom feedback positivo, que mostre para eles as ideias e ações que teve e foram satisfatórias, isso provavelmente o fará se engajar ainda mais em projetos futuros. O quer dizer que essa forma de feedback é fonte de motivação e estímulo na busca por melhores resultados.

O uso do feedback também se mostra relevante por proporcionar uma evolução na gestão de desempenho. Práticas como a avaliação de desempenho, que costumavam serem feitas de forma engessada e com pouca frequência ganham novas possibilidades com o uso dessa ferramenta. O feedback torna-as mais transparentes e rotineiras, ou seja, mais fundamentadas e assertivas.

Quando a organização falha em fornecer feedbacks para seus funcionários o índice de turnover pode aumentar, pois os profissionais correm o risco de não compreenderem o papel que ocupam.

Todos esses aspectos indicam que uma cultura organizacional que estimula o feedback contínuo é sinônimo de uma cultura que preza pelo desenvolvimento ininterrupto de seus profissionais e da própria organização. Esse processo é importante porque beneficia tanto os trabalhadores quanto a empresa, contribuindo para que ambos cresçam em sintonia.

Gostou do texto? Deixe seu comentário sobre as experiências e aprendizados que já teve com a prática de feedbacks!

Compartilhe com seus amigos:


Deixe seu comentário:

Como encontrar o melhor candidato para sua vaga | Ebook Grátis