Em 1885, os trabalhadores americanos fizeram uma paralisação no dia primeiro de maio para reivindicar melhores condições de trabalho. Eles trabalharam 13 horas e queriam uma jornada de 8 horas. Entre mortos e feridos, conseguiram! Até hoje são homenageados por isso, embora a situação não tenha mudado muito de lá pra cá.

Apesar do que foi conseguido, ainda existe uma mentalidade entranhada em nossos cérebros de que empresa e trabalhadores não podem jogar do mesmo lado.

Isso faz com que cada um assuma o seu papel e a história continue se repetindo. A empresa agindo de forma predadora, tratando as pessoas como máquinas ou sendo paternalista, privilegiando pelos afetos e as pessoas na postura da reclamação, atitudes rebeldes, vingativas ou de acomodação.

Estamos falando de mentalidade, de crenças limitantes que nos impedem de sair da competitividade interna e mergulhar na cooperatividade dentro das organizações, assumindo a responsabilidade pessoal por uma relação com o trabalho mais saudável e prazerosa.

O primeiro passo é entender que o DNA da Empresa é diferente do DNA das pessoas. O da Empresa é produtividade, lucratividade e performance. O das pessoas é talento, aprendizagem, reconhecimento e prazer. Aparentemente, unir estas duas cadeias de DNA é impraticável.

Esta consciência nos coloca os pés no chão para compreender que empresa não é família e que profissionalizar as posturas de ambos os lados é o caminho para uma relação amistosa.

A profissionalização de uma Empresa passa por uma curva onde se faz necessário sair da informalidade. Isto significa sentimentos à parte e justiça no topo. Justiça para ambos os lados.

O trabalhador precisa aceitar que ele é medido pela sua capacidade de ENTREGA e se o RH aumenta os benefícios para reter talentos ou aumentar a produtividade não o faz por filantropia, mas porque finalmente reconhece que as pessoas precisam estar motivadas.

Por outro lado, se o trabalhador deve manter-se importante para a Empresa, a Empresa deve também estar aberta para responder às suas necessidades para que ele deixe as mágoas à parte e negocie a melhor forma de continuar a fazer parte dela.

Assim se inicia o ciclo da entendimento que gera a cooperação de forma profissional e leve, comunhão de objetivos e um clima organizacional saudável. Segundo o I Ching “quando direitos e deveres são bem definidos, não existe conflito”.

Sair das crenças limitantes é ressignificar a definição de trabalho de ambas as partes. É preciso ver que trabalho = performance + prazer + aprendizado, cujo resultado é metas atingidas, dinheiro no bolso, reconhecimento e muita motivação.

Aí, meu amigo, é onde nasce uma nova forma de relação. Trabalhador que tem o talento reconhecido e é alocado de acordo com o seu perfil pessoal, faz o trabalho com prazer e busca cada vez aprender mais.

Consequência: melhora a performance e entrega o que a empresa precisa. Por sua vez, a empresa lhe recompensa com salário e benefícios adequados, feedbacks positivos e até com premiações e promoções e todos saem satisfeitos.

Cooperação é resultado de pessoas e empresas amadurecidas. Quem está experimentando está se dando bem!

Vânia Portela

Por Vânia Portela
Psicóloga Clínica e Organizacional, Coach, Analista Master do DISC ETALENT, Palestrante, escritora e sócia Diretora da Portela & Cavalcanti – Gestão Estratégica de Pessoas.

Compartilhe com seus amigos:


Deixe seu comentário:

Assine nossa newsletter | ETALENT