De acordo com uma pesquisa feita pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE) e divulgada pelo site G1, o desemprego atingiu 13,8 milhões de pessoas no segundo trimestre de 2017. Atualmente, o outplacement e replacement têm ajudado muitos profissionais que se encontram nessa situação.

Mas, afinal, o que significam esses dois conceitos? Qual é a diferença entre eles? E quais benefícios trazem para a empresa e o profissional? Veremos as respostas neste artigo!

O que é consultoria de recolocação profissional?

Como o próprio nome já diz, a consultoria de recolocação profissional visa a ajudar um trabalhador a enfrentar a difícil fase de desligamento de um emprego. Nesse momento, é normal ficar um pouco confuso e sem saber o que fazer.

Sobretudo, no atual cenário econômico brasileiro, em que a disputa por vagas está muito acirrada. Sendo assim, esse processo funciona como uma lanterna que ilumina um caminho escuro e direciona os passos de uma pessoa. Dentro da metodologia de consultoria de recolocação profissional, há dois tipos de serviços: o outplacement e replacement.

Qual é a diferença entre outplacement e replacement?

Esses dois termos são distintos, mas tem uma relação entre si. No caso do outplacement, a empresa contrata os serviços de um especialista nessa área, que pode ser um coaching, para dar suporte a um funcionário que pretende demitir.

Já o replacement é um serviço voltado para pessoas que já estão sem um emprego. Por isso, os profissionais dessa área fazem uma consultoria voltada para reinserir trabalhadores no mercado de trabalho.

Quais são os métodos e benefícios que trazem para a empresa?

Algumas empresas têm grande dificuldade de lidar com o processo de demissão de um funcionário. Em especial, se for de nível executivo. Afinal, um trabalhador pode se sentir injustiçado com o seu desligamento se dedicou todo seu tempo e esforço ao longo de muitos anos, ou seja, quando literalmente vestiu a “camisa” da empresa.

A tragédia seria pior se essa má impressão fizesse o ex-funcionário falar mal da instituição para outros trabalhadores. Essa situação poderia afetar a employer branding ou marca empregadora da empresa. Por outro lado, quando a companhia contrata os serviços de outplacement, ela reverte essa situação.

Apesar de demitido, o ex-colaborador sente-se cuidado e respeitado pela instituição porque o outplacement o ajudará a:

  • elaborar o seu currículo;
  • prepará-lo para participar de processos de recrutamento e seleção;
  • fazer um planejamento de estratégias para a sua divulgação no mercado de trabalho; e
  • realizar a análise e revisão de sua carreira profissional.

Após todo esse suporte, o trabalhador sai confiante e satisfeito com a instituição. Entretanto, a empresa também pode se beneficiar do replacement. Por exemplo, ela pode ter uma política interna que favoreça os profissionais de alto desempenho que estão buscando uma vaga de emprego.

Dessa forma, as instituições ou consultores autônomos que prestam esse tipo de serviço podem canalizar esses talentos do mundo corporativo para a empresa. Essa atitude beneficia a companhia, pois ela se torna mais atraente para os profissionais.

Além disso, o processo de recrutamento e seleção é facilitado, visto que, em vez de procurar por trabalhadores, eles é que vêm até a empresa, e melhor, com as qualificações desejadas pela instituição. Sendo assim, implemente esses serviços em sua companhia e, com isso, construa uma boa reputação no mundo empresarial.

O que achou de nosso artigo? Conseguiu entender a diferença entre o outplacement e replacement? Então, aproveite para assinar nossa newsletter e receba mais conteúdos valiosos!

Comentários