Essa semana saiu um artigo interessante na Harvard Business Review falando sobre Felicidade no Trabalho. Nele, são destacadas pesquisas com dezenas de empresas afirmando que pessoas felizes trabalham melhor e aquelas que se envolvem com o trabalho e com os colegas trabalham com mais afinco e com mais inteligência. Parece óbvio, não é mesmo?

Porém, pesquisas também afirmaram que é alarmante o número de pessoas que não se engaja. As pessoas entram no trabalho pensando na hora de ir embora e começam a semana pensando no final da semana. Pior ainda é quando essa falta de engajamento afeta também à liderança que acaba por contaminar as equipes.

Segundo o artigo da Harvard Business, as emoções e a mentalidade dos líderes impactam diretamente no humor e no desempenho das pessoas – o pensamento influencia a emoção e a emoção influencia o pensamento.

A neurociência afirma que há conexões entre sentimentos, pensamentos e ações e a falta de engajamento é uma resposta neurológica e psicológica natural às emoções negativas. Mas, as emoções extremamente positivas também têm o mesmo efeito! Alguns estudos mostram que felicidade em excesso pode nos tornar menos criativos e propensos a assumir mais riscos.

Felicidade no Trabalho: o que as pessoas querem?

Durante anos, a Teleos Leadership Institute e Annie McKee, membro sênior da University of Pennsylvania Graduate School of Education e diretora do PennCLO Executive Doctoral Program, entrevistaram milhares de pessoas e quase todos disseram que querem 3 coisas:

  1. Uma visão do futuro significativa – querem ser capazes de imaginar o futuro e saber seu lugar nele, elas aprendem e se transformam quando há uma visão pessoal associada a uma visão organizacional.

  2. Senso de propósito – querem sentir que seu trabalho faz diferença e que contribuem para a realização de algo importante, querem sentir que estão fazendo algo maior com relevância para os outros.

  3. Sabemos que as pessoas deixam seus chefes e não as empresas onde trabalham. Por último e não menos importante, aparecem nas entrevistas que as pessoas buscam ótimos relacionamentos com seus líderes e com seus colegas.

Diante desse estudo reflito ainda mais sobre a importância de Líderes e equipes conhecerem mais sobre seu comportamento, que está diretamente ligado às emoções e, consequentemente, a forma como vão colocar em prática esses sentimentos.

Ainda é pouco o número de líderes que tem essa clareza sobre a importância do comportamento e a emoção na gestão de pessoas.

A importância de assumir o protagonismo

Acredito muito no protagonismo de cada indivíduo sobre suas ações pessoais e profissionais, cabendo a cada um buscar maneiras de construir bons relacionamentos e viver seus valores.

Cabe a liderança criar um ambiente em que as pessoas possam contribuir e crescer junto com a organização.

Para isso é preciso conhecer a sua equipe, criar um ambiente e relações de confiança e apoio para manutenção dos relacionamentos e disposição de contribuir com a equipe.

Você sabia que a ETALENT, além dos relatórios comportamentais, também oferece vários workshops para liderança e programas de construção de equipes de alta performance e ainda um Mapeamento de Felicidade no Trabalho?

Navegue pelo nosso site e conheça melhor os programas Gestão do Comportamento para Líderes, Team Bulding, Personal Change e Mapeamento do Talento e Felicidade no Trabalho. Até o próximo artigo!

Compartilhe com seus amigos:


Deixe seu comentário:

Assine nossa newsletter | ETALENT