Não é preciso ser nenhum especialista no assunto para saber que uma Educação de alta qualidade e relevância é fator crucial para o desenvolvimento de uma Nação e, consequentemente, na ocupação de um lugar definitivo no cenário de grandes potências econômicas mundiais.

Acontece que essa mesma Educação passa por um processo de transformação necessária, concomitante as diversas tecnologias disponíveis nas mãos de alunos e professores. Tecnologias que evoluem com tanta celeridade que por muitas vezes superam o nosso tempo de aprendizado para lidar com elas.

Diante disso tudo, o papel das empresas que desejam crescer e permanecer relevantes, sustentáveis, também mudou. Apoiar seus alunos, ou melhor dizendo, colaboradores, independente do nível hierárquico, na busca de uma educação constante e voltada para a construção de habilidades e comportamentos efetivos, tornou-se indispensável para a sobrevivência das organizações modernas.

Afinal, estamos na Era da Informação, o que significa que veremos cada vez mais conhecimentos considerados valiosos e indiscutíveis serem dissolvidos e tornarem-se obsoletos.

A ETALENT acredita no processo de Entender, Querer, Aprender e Fazer como atitude primordial ao sucesso de seus colaboradores.

Juntando nossa larga experiência em Educação do Comportamento e diversas outras iniciativas voltadas a uma melhor Educação para o futuro – não só de nossa casa, empresa ou país, mas como também para um mundo melhor e capaz de evoluir constantemente -, elencamos 4 ações fundamentais para uma pessoa ter sucesso em seu processo de educação – seja ele acadêmico, corporativo ou cultural.

1 – Se autoconhecer é o primeiro passo para o aprendizado de alto nível.

O Autoconhecimento vêm ganhando destaque quando o assunto é educação e desenvolvimento pessoal. Os clássicos testes vocacionais já não dão mais conta em nos ajudar a decidir o rumo de nossas vidas .

Se antes aprendíamos apenas o teórico durante grande parte de nossos estudos, sem considerar em nenhum momento nossas aptidões e sonhos, hoje é fundamental que saibamos aquilo que nos move, que nos fazer acordar cedo todos os dias, entusiasmados e com sede de novos conhecimentos e habilidades.

Saber o seu talento, suas inteligências mais relevantes e como desenvolvê-las é uma ação indubitavelmente importante para uma educação de qualidade.

2 – As habilidades precisam ser fomentadas simultaneamente aos conhecimentos.

Segundo matéria anunciada no portal Todos pela Educação, uma das grandes defasagens em nosso sistema nacional de ensino – algo que acaba causando reflexos nos modelos de aprendizado dentro das empresas – é a carga teórica alta e complexa desacompanhada da prática de habilidades críticas.

Na matéria, Jaime Saavedra, diretor global de Educação do Banco Mundial, explica bem isso no trecho:

O segundo ponto é que você pode fomentar essas habilidades ao mesmo tempo em que está passando conhecimento. Se você ensina História preocupado apenas que os alunos memorizem datas, você pode mudar para ensinar o contexto histórico e incentivar o pensamento criativo. Essa é a maneira certa. Você ensina aos alunos como articular ideias e incentiva a formação do pensamento crítico, enquanto explica os acontecimentos históricos”.

Se transferirmos essa realidade para as empresas, vemos muitas delas praticando o mesmo erro ao valorizar conhecimentos estritamente teórico sem mensurar a praticidade através de habilidades e comportamentos por parte de seus colaboradores, refletindo em processos de educação corporativa frágeis e, por consequência, em maus resultados.

3 – A capacidade socioemocional é um fator diferencial. Portanto, você deve agir para desenvolvê-la.

“Hoje precisamos que todos os professores estejam conscientes de que sua responsabilidade também é fomentar as habilidades socioemocionais nos alunos. (…) Não existe subcategorias de perseverança e desenvolvimento de trabalho em equipe, você ensina isso enquanto ensina Biologia”.

O diretor global de Educação também ressalta a importância em fomentar as chamadas competências socioemocionais, que se referem a capacidade de tomar as melhores atitudes e habilidades para controlar emoções, alcançar objetivos, demonstrar empatia, manter relações sociais positivas e tomar decisões de maneira responsável, dentre outros aspectos.

No mundo corporativo, elas representam o que chamamos de soft skills, um conjunto de competências um pouco mais subjetivas e complicadas de se avaliar, que entretanto fazem a diferença no nível de interação com as pessoas, seja dentro de uma instituição de ensino ou em sua empresa.

4 – A tecnologia veio para ficar, então você precisa otimizar ao máximo seu uso educacional.

É cada vez mais presente o uso de ferramentas tecnológicas na educação das pessoas, seja em ambiente escolar, corporativo ou – para ambos os casos, virtual. Diversas empresas já investem em programas e aplicações bem avaliados e vistos no mercado, que agilizam e gamificam o aprendizado nas corporações.

Contudo, sabemos que nem todos os funcionários estão familiarizados com as tecnologias e suas funcionalidades. Sendo assim, cabe aos gestores e responsáveis pelo T&D da empresa identificar, junto de especialistas da área de TI, quais soluções cabem melhor tanto no orçamento quanto na capacidade de utilização da empresa como um todo.

Apesar de as tecnologias buscarem uma simplicidade e usabilidade maior todos os dias, ainda há muito caminho a ser percorrido. Portanto, adiante-se e aprenda constantemente sobre elas.

Um bom profissional do futuro precisa se manter atualizado e capacitado, mesmo que por conta própria, sobre tais ferramentas virtuais.

É um diferencial de peso que vai desde maiores chances de contratação até uma curva de aprendizado menor ao entrar na tão sonhada empresa.


Então, gostou das reflexões e dicas deste post? O que você considera fundamental em termos de Educação no mundo em que vivemos? Diga nos comentários abaixo.

Um abraço e até a próxima!

Compartilhe com seus amigos:

Deixe seu comentário: