Você já pensou na ideia de fazer uma avaliação de perfil comportamental na empresa em que trabalha? Ou nunca ouviu falar a respeito do assunto? Então, a psicóloga Marina Alves, que trabalha no RH da Miss Day Cosmetic, em Franca (SP) colocou em prática essa análise e conseguiu transformar o departamento de Recursos Humanos e a atitude dos funcionários.

A avaliação demonstrou que as contratações passaram a ser mais acertadas, melhorando a produtividade da empresa e o engajamento da equipe. A psicóloga estudou o tema a fundo e obteve grande êxito. Por isso, conheça esta história fictícia, mas que se torna realidade quando a metodologia é aplicada dentro das organizações. Vamos lá? Boa leitura!

O que é uma avaliação de perfil comportamental?

Marina Alves, certo dia, estava trabalhando e pesquisando sobre novos métodos de recrutamento e seleção de candidatos, pois percebeu que os procedimentos utilizados não atingiam os objetivos necessários.

Enquanto procurava, encontrou um artigo que explicava sobre avaliação de perfil comportamental. Achou interessante o tema e começou a lê-lo. Nele confirmou sua visão de que o local onde a pessoa foi educada, a cultura na qual está inserida e sua personalidade moldam o ser humano e o tornam único.

Logo, entender o histórico de vida e a individualidade do colaborador é imprescindível para que se crie um ambiente agradável e para estimular as atividades laborais.

Assim, a psicóloga constatou que a avaliação comportamental é um método que decifra e decodifica os comportamentos dos funcionários ou candidatos, mediante estímulos, conforme a característica de cada um.

Quais são os tipos de perfis comportamentais?

Analisando mais sobre o assunto, Marina descobriu que o pesquisador William Moulton Marston que, em 1928, estudou sobre a maneira de ser das pessoas, principalmente quando estão trabalhando.

Observou os indivíduos em relação ao meio em que estavam e, depois, no trabalho, verificando como o ambiente interferia na conduta deles. A partir das respostas encontradas, Marston defendeu que o comportamento dos colaboradores é baseado em quatro pilares, denominado DISC. Acompanhe!

D – Dominância

A dominância é o perfil das pessoas que são seguras, realizadoras, inovadoras, visionárias contundentes e que adoram um desafio. Essas buscam resultados e conseguem visualizar o cenário por completo para atingir as metas que precisam.

I – Influência

O perfil dessas pessoas é o de influenciar e persuadir aqueles que estão ao seu lado, porque adoram falar e são proativas. Têm grande facilidade em se relacionar com os outros, estão sempre entusiasmadas, otimistas e são colaboradoras.

S – Estabilidade

Esses indivíduos demonstram cooperação, sinceridade e confiabilidade. Inclusive, gostam de trabalhar dentro do seu ritmo, pois são calmos e agem dando suporte ao time porque a colaboração é um dos seus guias.

C- Conformidade

As pessoas precisas têm essa característica, buscam qualidade, expertise e competência. São independentes, têm raciocino lógico, são detalhistas e trabalham em um ritmo moderado.

Com todas essas informações, a psicóloga resolveu aplicar a metodologia DISC na empresa em que atua – tanto para aqueles profissionais que estavam fazendo o processo seletivo quanto para os colaboradores que já trabalhavam no local.

Assim, conversou com seus gestores e mostrou os resultados das organizações que introduziram o sistema. Eles gostaram e deram o aval para realizar na indústria de cosméticos.

Como o método de avaliação do perfil comportamental foi aplicado?

Dessa forma, Marina implantou um software com a metodologia DISC. Nele, há perguntas já estruturadas para serem respondidas pelos profissionais. A plataforma conta ainda com o cruzamento das respostas para que gere relatórios, indicando o perfil comportamental dos entrevistados. Um exemplo de questionamento é se você se considera sociável ou é uma pessoa mais comedida.

Para responder, o candidato deve marcar os adjetivos ou as frases que têm mais e menos relação com o seu perfil. Depois, as respostas são somadas pelo sistema e são geradas também análises comportamentais que são avaliadas pelos especialistas de Recursos Humanos, para saber se a pessoa tem aptidão para o cargo ou para ser promovido, por exemplo.

Essa otimização facilitou bastante o processo, permitindo que houvesse agilidade e acertos na contratação.

Assim, Marina conseguiu trazer maior produtividade para a empresa, resultados positivos na qualidade dos profissionais e redução de turnover. Inclusive, ela aplicou o DISC nos colaboradores que já estavam trabalhando, possibilitando que alguns mudassem de cargos, tendo melhor rendimento e promovendo outros.

Por que são tão importantes para melhorar o fit cultural na hora da contratação?

Com isso, Marina verificou que para aumentar o acerto nas contratações, a análise comportamental, em primeiro lugar, auxilia na seleção dos candidatos. Pois, ao admitir profissionais adequados para as funções e que têm o perfil da cultura da organização, o índice de demissão é muito menor.

Portanto, há uma economia no investimento de abrir processos seletivos, fazer demissões e rescisões de contratos, além de poupar na capacitação de funcionários que não tinham as características do negócio.

A psicóloga percebeu que, uma vez que tenha uma equipe qualificada, o capital investido no desenvolvimento de habilidades de seus integrantes é revertido para dentro da empresa.

Logo, os benefícios são muitos, como:

  • descoberta de novos talentos;
  • desenvolvimento de profissionais para se tornarem líderes;
  • aperfeiçoamento das competências;
  • melhora no índice de acertos nos processos seletivos;
  • sucesso nas mudanças de funções e promoções;
  • aumento na produtividade;
  • mais engajamento no trabalho em equipe;
  • diminuição do turnover;
  • mais motivação por parte dos colaboradores;
  • características e habilidades compatíveis com os cargos.

Ademais, Marina descobriu que pode complementar sua avaliação com outras metodologias. É importante antes definir o objetivo e as características do profissional que a empresa procura, como, também, testar os métodos e ferramentas escolhidas para garantir que tragam os resultados esperados.

Afinal, eles são fundamentais para que os processos seletivos sejam direcionados, visando à obtenção de equipes de alta performance, clima organizacional satisfatório à produtividade, desenvolvimento e crescimento da empresa.

Percebeu quantas atitudes positivas uma mudança de procedimento trouxe para a organização em que a Marina trabalha?

Se inspire na história e comece a introduzir a avaliação de perfil comportamental, para que seu negócio prospere dentro do mercado e seja um lugar em que os profissionais tenham desejo de trabalhar.

Quer saber mais como funciona o DISC? Entre em contato com nossa empresa para darmos todas as orientações necessárias.


Hugo Freire

Hugo produz conteúdos para ETALENT. Atuou em gestão corporativa em diversas empresas. Através das ferramentas ETALENT, descobriu seu amor pela Medicina. Foi atrás do seu sonho e hoje é nosso conteudista e correspondente na Rússia.

Todos os posts do autor