recrutamento é uma atividade-chave para o sucesso e continuidade de qualquer empresa. Quando bem executado, permite fomentar o processo seletivo com profissionais talentosos e que tenham aderência à cultura organizacional.

Empresas que reconhecem o valor estratégico dessa etapa buscam as melhores práticas do setor e entendem que não se pode economizar em conhecimento quando o assunto é a contratação de novos talentos.

O processo de recrutamento pode ser dividido em dois tipos: recrutamento interno e externo.

Para identificar qual se adapta melhor às características de cada empresa, é preciso levar alguns fatores em consideração, tais como: a confiabilidade, a inovação, o custo e a duração.

Pensando nisso, criamos um conteúdo especialmente para você! Vamos explicar hoje o que é recrutamento interno e externo, bem como qual deve ser usado em seu negócio. Continue lendo e fique por dentro do assunto!

Recrutamento interno e suas principais características

Essa modalidade é caracterizada pelo oferecimento da empresa de novas oportunidades para seus colaboradores, desde que tenham as competências demandadas e os comportamentos adequados.

Quando um gestor se vê diante de uma vaga, ele quer ocupá-la com o melhor candidato possível e, muitas vezes, esse candidato já está trabalhando em outra função. Sendo assim, é interessante que ele tenha a opção de poder avaliá-lo.

Além de ser vantajoso para o gestor que já conhece as características do funcionário, serve também como um instrumento motivador para as equipes.

O processo de recrutamento interno funciona como uma promoção ou transferência de atividades, ampliando as possibilidades para colaboradores que desejam desenvolver novas habilidades.

Dentre os principais benefícios dessa prática, é possível destacar os seguintes fatores:

  • rapidez do processo, pois os profissionais estão dentro da empresa;
  • motivação, visto que os colaboradores percebem a oportunidade de crescer internamente;
  • economia financeira, devido às menores despesas com o anúncio das vagas.

Mas como qualquer escolha, também existem desvantagens em abrir mão do recrutamento externo para determinada vaga, sendo possível destacar:

  • perda de talentos, pois nem sempre o funcionário se adapta bem à nova função;
  • conflitos interpessoais, já que, às vezes, uma promoção causa problemas entre os próprios colaboradores.

Com base nisso, cabe às empresas e grupos avaliarem o que é essencial para o cargo em questão e no que essas vantagens e desvantagens implicam para o negócio.

Julgando ser mais vantajoso contratar alguém que já esteja na empresa, ela colhe os benefícios dessa decisão, assim como precisa se adaptar aos desafios.

Como otimizar o recrutamento interno?

Mas como se trata de um processo orgânico, que não está acabado e, sim, em constante mudança, é possível otimizar essa prática.

Para melhorar o recrutamento interno, é preciso acompanhar continuamente o desempenho de cada funcionário.

Perceber se ele está se adaptando bem à nova função, se o seu trabalho está agregando ao trabalho da equipe e se há uma compatibilidade entre ele e as novas lideranças.

Esse aprimoramento deve ser registrado em relatórios específicos e, sempre que necessário, auxiliar a tomada de decisões do gestor de pessoas.

As empresas que realizam avaliações de desempenho periódicas já têm essa prática internalizada, mas é preciso uma atenção específica para os primeiros meses de experiência do colaborador.

Para isso, é essencial criar uma política interna de integração que envolva também uma avaliação total. Essa avaliação inclui o próprio colaborador e a sua percepção sobre esse período.

Pode-se, também, contar com a ajuda do superior imediato do funcionário. Ele será responsável por dar um parecer mais claro sobre o profissional, informando sobre seu espírito de equipe, pontualidade, produtividade etc.

A importância da liderança deve ser destacada quando falamos no desenvolvimento de funcionários em novas funções, visto que ela deve ser uma facilitadora dessa transição.

Recrutamento externo e suas principais características

Aqui temos o jeito mais comum de recrutar pessoas, sobre o qual não se tem muitas dúvidas em relação ao processo em si. Afinal, todo mundo já passou por um recrutamento externo ou fez algum.

É possível defini-lo como a atividade de divulgar as vagas em aberto no mercado de trabalho, buscando profissionais de fora da empresa. Dessa forma, é possível suprir demandas internas com eficácia.

Entre os principais benefícios do recrutamento externo, estão:

  • novas ideias, já que colaboradores vindos de fora costumam pensar diferente;
  • abrangência, pois é possível ter acesso a um maior número de perfis profissionais;
  • eficácia, porque, muitas vezes, pessoas vindas de fora atendem com mais especificidade as competências e os comportamentos demandados.

Mas, assim como no recrutamento interno, o externo também apresenta desvantagens. Veja:

  • o processo costuma ser mais demorado;
  • pode causar insatisfação interna, já que alguns colaboradores se sentem injustiçados.

Esses dois pontos precisam ser considerados cuidadosamente, pois é essa sensação de desvalorização quando um candidato é contratado é uma realidade em algumas empresas.

Acontece que geralmente isso ocorre em empresas que:

  1. não valorizam o funcionário;
  2. não têm um plano de carreira;
  3. não treinam seus colaboradores; e
  4. não escutam sua equipe.

Diante disso, é preciso utilizar a franqueza para avaliar essa desvantagem.

Empresas que têm uma boa reputação com seus colaboradores, investem em treinamento, colocam em prática as promoções e progressões no plano de carreira e ainda recompensam seus funcionários, têm mais chance de evitar esse tipo de problema em relação ao recrutamento externo.

Como potencializar o recrutamento externo?

A partir desse ponto, voltando o olhar agora para o novo candidato, podemos falar sobre formas de fazer boas contratações externas.

Para melhorar esse processo, primeiro é preciso ter uma visão muito clara sobre o perfil do funcionário que se deseja contratar. Para isso, é indicada a realização de um desenho de cargo que responda a quatro principais perguntas:

  • “Quais as atividades-chave?”;
  • “A quem supervisiona?”;
  • “A quem responde dentro da empresa?”;
  • “Qual o perfil comportamental do cargo?”

Atualmente, é preciso, também, contar com a tecnologia certa. Utilizar redes sociais e sites de emprego para divulgar vagas em aberto é uma excelente possibilidade, além de modernos sistemas de gerenciamento de talentos para otimizar todo o processo.

Vale destacar que a divulgação de vagas em canais na internet deve ser tão criteriosa quanto a vaga em si. Se você espera receber bons currículos, divulgue em meios que profissionais qualificados estejam presentes.

Ao aplicar essas dicas, você conseguirá obter melhores resultados no recrutamento dos profissionais. Isso beneficiará a seleção de pessoas e formação de times de alta performance.

Depois de ler esse conteúdo, ficou mais fácil avaliar quando a sua empresa precisa aplicar o recrutamento interno e externo? Então, aproveite o momento e entre em contato conosco para descobrir como fazer um planejamento!

Compartilhe com seus amigos:


Deixe seu comentário:

Como encontrar o melhor candidato para sua vaga | Ebook GrátisPowered by Rock Convert