De acordo com dados divulgados pelo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2019, no Brasil, 6 de cada 10 organizações fecham as portas depois de apenas cinco anos de existência. E uma das principais razões para um número tão alto de fins precoces é, justamente, o desdém ao chamado planejamento estratégico. Afinal, sem definição e alinhamento, em um mercado competitivo como o atual, dificilmente uma empresa se mantém de pé.

Com o uso de novas tecnologias e a implementação de mentalidades corporativas mais voltadas para o bem-estar e o desenvolvimento humano, o setor de Recursos Humanos passou a atuar em diversas frentes das empresas, inclusive na hora de planejar seus próximos passos. Em conjunto com as lideranças, esse modelo moderno de RH é um grande aliado na hora não apenas de entender em que situação a organização se encontra, mas também na de delimitar quais caminhos devem ser traçados para que ela alcance seus objetivos.

Esse é o assunto do artigo de hoje, onde trataremos da importância de realizar o planejamento estratégico em uma empresa e como a utilização do departamento de RH é essencial para que esse processo seja efetivo. Continue com a gente e uma boa leitura!

 

O que é planejamento estratégico?

O planejamento estratégico consiste em um processo sistêmico focado em identificar a melhor rota a ser seguida por uma empresa em prol de cumprir suas metas e atingir os seus objetivos. Para tal, é preciso, primeiramente, analisar os cenários para, depois, traçar metas e ações com o intuito de chegar ao patamar desejado. O planejamento estratégico orienta a tomada de decisão das organizações e, também, a distribuição de seus recursos. Quando bem desenvolvido, esse planejamento funciona como a base do negócio. É ele que vai ditar o ponto de partida, as etapas a serem percorridas e o local de chegada.

Esse tipo de trabalho pode (e deve) ser executado por qualquer empresa, independentemente de seu porte ou segmento. Quando bem desenvolvido e consolidado, as chances de ver os resultados caminhando para o objetivo mirado são gigantescas. É importante, também, que ele seja pensado e aplicado de modo a envolver todos os colaboradores da empresa, nos seus diversos níveis e divisões. É algo a ser executado em conjunto e de forma harmônica, como uma sinfonia.

Para isso, é imprescindível conhecer detalhadamente seu time e os profissionais que atuam dentro do ecossistema da empresa, para que cada processo do planejamento seja muito bem alocado, de acordo com cada pessoa e sua habilidade.

 

Por que fazer um planejamento estratégico?

Empresas que não possuem nenhum tipo de planejamento dificilmente saem do lugar. Quando não há análises internas e externas, avaliações de mercado, rotas, metas ou objetivos definidos, tudo se torna um enorme “achismo” em qual é praticamente impossível se basear e conseguir bons resultados. A falta de planejamento deixa as organizações perdidas e sem saber qual rumo tomar – e muito menos como atingir seus objetivos. E, apesar de parecer improvável, é bastante comum que as empresas não se planejem, principalmente quando elas não compreendem o seu propósito, cultura e diferenciais.

O planejamento estratégico é extremamente importante por diversas razões. Através dele, é possível realizar análises minuciosas dos resultados passados da empresa e a garantir a orientação a todos os membros e estratégias ao longo dos anos. Também é possível realizar avaliações constantes do mercado com o uso de indicadores capazes de nortear a tomada de decisão da empresa. O planejamento permite ter claramente definidos e propagados os objetivos da companhia e os insumos necessários para alcançá-los, o que é essencial para que a empresa não perca o foco e continue produtiva.

Além disso, o planejamento estratégico reforça (ou até mesmo atualiza) a visão, missão e valores da empresa, que podem cair no esquecimento com o passar dos anos. Dessa forma, os colaboradores, sejam eles antigos na casa ou recém-chegados, ficam cientes e alinhados em termos de cultura organizacional. Em longo prazo, os benefícios são inúmeros: melhoras em motivação, sinergia e engajamento, uma vez que as equipes que trabalham em prol de um objetivo em comum, desenvolvimento de um clima organizacional acolhedor e até mesmo a construção de uma jornada do colaborador que impacte positivamente a empregabilidade da marca.

Com o planejamento estratégico, a empresa consegue estabelecer uma visão ampla em médio e longo prazos e, por isso, é importante compreender que essa medida vai muito além de uma burocracia empresarial. É o planejamento estratégico que vai possibilitar que a empresa caminhe para o sucesso sem perder sua essência.

 

A importância do RH no planejamento

As atribuições do departamento de Recursos Humanos mudaram muito ao decorrer das últimas décadas. Antes considerado um setor burocrático e que ficava responsável, sobretudo, por funções operacionais, hoje, o RH é visto como peça fundamental para a tomada de decisões de uma empresa, desenvolvimento de seu Capital Humano e, também, para criar estratégias que ajudem as organizações a melhorar a performance e os resultados obtidos.

Atualmente, o departamento de Recursos Humanos assume funções mais estratégicas, capazes de colaborar com os diversos segmentos de uma empresa. Diferentemente do que acontecia em tempos passados, também cabe ao RH atual observar a analisar as novas tendências e inovações do mercado, identificando as principais tecnologias, estratégias e práticas que já são ou ainda devem ser empregadas na empresa e em seus setores ao longo dos anos. E quando o assunto é planejamento estratégico, esse tipo de informação é essencial.

Outra pauta comumente atribuída ao RH atual é o foco no desenvolvimento e na valorização dos aspectos humanos. Isso porque, hoje em dia, a saúde mental e a qualidade de vida são discussões constantes no mundo corporativo e entende-se que, quando os profissionais se sentem satisfeitos, eles conseguem resultados mais significativos. Além disso, equipes felizes colaboram para construção de climas organizacionais mais saudáveis e ambientes de trabalho mais produtivos. Em longo prazo, esse tipo de preocupação é essencial para ajudar a empresa a alcançar seus objetivos, visto que essas medidas impactam positivamente tanto a rentabilidade quanto o lucro.

Por mais que o RH totalmente operacional já tenha caído na obsolescência, ainda há muitas empresas que não se atualizaram para os moldes atuais. E, caso você tenha dúvidas sobre o modelo de RH utilizado na sua empresa, clique aqui e complete o nosso quiz para descobrir se o seu setor é estratégico ou operacional!

Seu RH é estratégico ou operacional?

A Gestão Comportamental

O processo de valorização e desenvolvimento do Capital Humano já tem início na fase de atração de talentos, quando o RH precisa estabelecer estratégias para encontrar candidatos que apresentem fit cultural e comportamental com a empresa. Afinal, para montar equipes capazes de atingir a alta performance e atuar dentro do escopo de trabalho definido no planejamento estratégico sem se desmotivar, é preciso que haja, antes de qualquer coisa, adequação por parte dos profissionais. Mas o que isso quer dizer?

O comportamento é algo individual e que varia bastante de pessoa para pessoa. Há quem seja altamente sociável e quem prefira a própria companhia. Algumas pessoas se sentem entediadas quando precisam realizar a mesma tarefa todos os dias enquanto outras ficam perfeitamente confortáveis com a rotina. Há quem goste de se arriscar e quem preze por condições mais estáveis.

Estes são alguns exemplos de características relacionadas às competências comportamentais de cada um. E quando utilizadas de forma correta, elas podem ser grandes responsáveis no processo de alavancar o desempenho e a performance do Capital Humano. Todavia, caso ignoradas, comumente são motivo para frustração e desmotivação.

É nesse ponto que entra a gestão comportamental, que corresponde a uma metodologia de gerenciamento que foca no comportamento dos colaboradores. Quando o RH de uma empresa se baseia nesse modelo, é possível alinhar os aspectos comportamentais dos colaboradores às suas funções, o que é essencial na missão de ajudar a empresa a alcançar seus objetivos. Isso porque pessoas que trabalham utilizando suas características naturais têm mais energia, se sentem mais motivadas e aumentam os seus níveis de produção justamente por poderem utilizar as suas características mais acentuadas. É como contratar um peixe para nadar – pode parecer óbvio, mas quando não há preocupação com a adequação comportamental, esse mesmo peixe pode ter sido contratado para subir em uma árvore, por exemplo.

Para realizar um planejamento estratégico de RH eficiente, é importante contar com a ajuda de softwares como o Etalent PRO. Essa poderosa ferramenta ajuda a realizar processos de Recrutamento e Seleção baseados no comportamento, mapeia as equipes, delega cargos de acordo com o talento dos colaboradores, indica os talentos com perfis que se complementam e se alavancam, dentre muitas outras possibilidades essenciais para a implementação de uma gestão comportamental eficiente.

 

As 5 etapas do planejamento estratégico

Para desenvolver um planejamento estratégico eficiente, é preciso estruturar suas etapas e seguir alguns passos. Confira:

Etapa 1: Diagnóstico

Para a fase de diagnóstico do planejamento estratégico, é essencial observar o que acontece dentro da empresa e no cenário competitivo. Para isso, é interessante utilizar a análise SWOT (ou FOFA, como é representada na língua portuguesa), que consiste em elencar as forças, oportunidades, fraquezas e ameaças de uma organização. Para tal, é preciso contar com diversos colaboradores de setores distintos e que sejam capazes de citar os diferenciais, ameaças, pontos fortes e os que precisam de melhora. Assim, é possível formar um diagnóstico da situação atual, o que é imprescindível para o desenvolvimento do planejamento estratégico.

Etapa 2: Identidade

Missão, visão e valores. Para esta etapa, é essencial que esses conceitos estejam bem definidos na empresa, visto que serão responsáveis por nortear as decisões e as diretrizes estratégicas. Ter uma identidade bem delineada não apenas pelo público interno, como também pelo externo, é um diferencial que serve como um guia para realizar contratações, fechar contratos com fornecedores e até mesmo para realizar lançamentos de produtos e serviços novos no mercado. Por isso, esses conceitos devem sempre ser respeitados e reforçados para que permeiem todas as etapas do planejamento estratégico.

Etapa 3: Indicadores

Esta é a fase em que as novas metas são criadas. É a partir delas que a gestão define o patamar onde a organização deseja chegar e quais dados serão medidos para avaliar o progresso dessa jornada. Os indicadores variam de acordo com a natureza da meta estabelecida – se for, por exemplo, aumento da receita da empresa, o faturamento mensal deve ser um indicador a ser acompanhado. Como mencionamos, esse é um processo que precisa ter toda a organização e seus departamentos envolvidos e, por isso, é interessante estabelecer uma meta geral que se desdobre para metas individuais de cada setor. Vale ressaltar que é importante que esses objetivos sejam realistas – desafiadores sim, mas jamais inalcançáveis.

Etapa 4: Plano de Ações

Depois de feito o diagnóstico e definido o objetivo da empresa, é a hora de colocar as ideias em prática. E o primeiro passo para isso é definir um plano de ações, que nada mais é do que uma série de medidas que serão tomadas a fim de viabilizar a conquista das metas e os objetivos previamente definidos. É na fase do plano de ações que as atitudes são arquitetadas e delegadas para os seus respectivos executores. É importante saber identificar aquelas que são mais urgentes para o negócio, visto que, caso não haja uma priorização de tarefas clara, o plano pode acabar perdendo sua eficiência.

Etapa 5: Acompanhamento e análise

A última etapa do planejamento estratégico é o acompanhamento e a análise dos resultados obtidos. Para isso, é recomendável realizar reuniões periódicas, para que os colaboradores possam compartilhar seus pontos de vista e debater sobre os resultados – em alguns casos, podem ser implementados ajustes durante essa fase. Como o mercado está em constante transformação, essa também é uma boa forma de buscar a adequação constante com suas demandas.

 

Os 8Cs do planejamento estratégico

Colocar um planejamento estratégico em prática, como vimos, depende da participação conjunta dos colaboradores de uma empresa. E, para que isso dê certo e os resultados sejam os melhores possíveis, há uma série de valores que devem ser disseminados durante a execução desse trabalho conjunto. Entre eles, destacamos:

  • Conhecimento, que diz respeito à ciência sobre o que é um planejamento estratégico e dos métodos e ferramentas que auxiliam sua implementação;
  • Confiança, que está diretamente relacionada a acreditar na capacidade de transformação do planejamento traçado;
  • Controle, que se aplica aos mecanismos de análise sobre o andamento da estratégica aplicada, além de seus prazos e metas;
  • Colaboração, que diz respeito à confiança no trabalho em equipe e à superação de conflitos e dificuldades;
  • Coragem, que está relacionada a superar resistências para introduzir novas perspectivas trazidas pelo planejamento estratégico;
  • Competência, que foca na capacidade de colocar os planos em prática, respeitando seus prazos e padrões qualitativos;
  • Comunicação, que trata da capacidade de se comunicar de forma efetiva e manter todos atualizados em relação ao acompanhamento do plano;
  • Comprometimento, que diz respeito ao engajamento das equipes e colaboradores, fator essencial para o sucesso das estratégias.

O planejamento estratégico é fundamental para garantir a manutenção de uma empresa no mercado competitivo. Com um RH estratégico, colaboradores motivados, identidade bem definida, processos estruturados, análises constantes e foco no desenvolvimento humano, uma empresa consolida seus diferenciais e se torna capaz de lidar com cenários distintos e imprevisíveis. Sob essas circunstâncias, é mais fácil conseguir estabilidade – e o sucesso se torna uma questão de tempo!

 

Precisa de ajuda para realizar um planejamento estratégico na sua empresa?

Fale com um Consultor ETALENT!

 


Luiza Machado

Luiza apoia a equipe de Marketing da ETALENT. Formada em Letras e estudante de jornalismo, ela é apaixonada por literatura e cinema. Nerd declarada, não vive sem seu videogame.

Todos os posts do autor