Foco em pessoas: essa é uma das grandes tendências do meio corporativo que as organizações competitivas vêm seguindo ao longo dos anos. بوكر هولدم Isso não é à toa – toda e qualquer empresa é formada por pessoas. Sabe-se que mantê-las felizes, satisfeitas e motivadas enquanto exercem suas funções é fundamental para aumentar sua produtividade. E quando há investimento em qualidade de vida para o Capital Humano, os ganhos aparecem não apenas em termos de bem-estar individual, como também em aumento na lucratividade e desenvolvimento do valor de uma marca. Daí a importância de estabelecer uma Gestão de Recursos Humanos estratégica e eficiente.

O departamento de Recursos Humanos acompanhou essa tendência ao longo das décadas. Com a chegada dos conceitos do RH 5.0, o setor, que inicialmente tinha funções restritas a burocracias e processos operacionais, ganhou novas funções e se tornou fundamental para o desenvolvimento dos profissionais e, consequentemente, para o sucesso de uma empresa. Nos moldes atuais, cabe ao RH realizar planejamentos, fazer a organização, acompanhar e controlar os procedimentos que envolvem a rotina corporativa, contratar de forma eficiente e usar estratégias para reter os melhores talentos, além de criar condições na relação entre empresa e colaborador que beneficiem ambos.

No entanto, nada disso é possível se não houver uma estratégia administrativa por trás de cada procedimento. É nesse ponto que entra a Gestão de Recursos Humanos, tema do nosso artigo de hoje. Confira!

 

O que é Gestão de Recursos Humanos?

Como mencionamos, muita coisa mudou a respeito da atuação do RH com o passar das décadas. O departamento se distanciou bastante de sua concepção inicial e, atualmente, é entendido pelas empresas como um setor estratégico. A Gestão de Recursos Humanos tornou-se a principal responsável pelos processos que afetam o maior bem de uma empresa: o Capital Humano. Por isso cabe a ela lidar com questões como os processos de Recrutamento e Seleção, ações para a retenção de talentos e queda na taxa de rotatividade, desenvolvimento de planos de carreira, realocação de profissionais, além de questões mais gerais, como gerenciamento de benefícios, vantagens e políticas que fazem parte da cultura organizacional da empresa.

De forma resumida, a principal função da gestão de RH é cuidar dos colaboradores para extrair o melhor de sua produtividade enquanto apoia a empresa na concretização de seus objetivos, seja através de medidas que os afetem individualmente, como definição de salários, benefícios e treinamentos, ou que impactem na empresa como um todo, como a construção e manutenção de valores, clima organizacional e monitoramento de qualidade. As práticas adotadas pelo RH também impactam diretamente a reputação de uma empresa, uma vez que são responsáveis por transmitir os valores adotados pela organização.

 

Diferenças entre Departamento Pessoal, Gestão de RH e Gestão de Pessoas

Apesar da similaridade entre os termos (o que comumente gera certa confusão), Departamento Pessoal, Gestão de RH e Gestão de Pessoas tratam de questões diferentes.

O Departamento Pessoal está relacionado aos processos burocráticos que envolvem os colaboradores de uma empresa. É responsável pelas demandas giram em torno de questões como folhas de pagamento, controle de férias, realização de contratações, cálculos de indenização, documentos e administração de recursos. O segmento também faz parte da Gestão de Pessoas; todavia representa apenas uma pequena parcela de um todo: a que lida com afazeres objetivos, comumente associados a questões financeiras e burocráticas. Esse tipo de trabalho pode ser englobado pelo RH da empresa ou ser realizado por uma pessoa/equipe especializada nisso.

A Gestão de Recursos Humanos, como mencionamos, tornou-se uma área estratégica que visa a implementar medidas para alinhar o desempenho dos colaboradores às metas da empresa. A esse setor, cabe realizar ações que beneficiem ambas as partes, de forma que elas possam operar em conjunto para alcançar objetivos em comum. Alguns exemplos sobre as tarefas do RH são a oferta de feedbacks, avaliações de desempenho, treinamentos e desenvolvimento de planos de carreira, cargos e salários, entre outras possibilidades.

Já a Gestão de Pessoas tem um foco mais individualizado. Isso porque sua atuação está diretamente relacionada à motivação, engajamento e ao desenvolvimento dos profissionais que compõem o Capital Humano. É a partir dela que as relações se tornam mais humanizadas dentro das empresas. Diferentemente do RH, que tem uma visão macro da organização, a GP concentra-se na relação individual com cada colaborador. كيف تلعب بينجو

Uma Gestão de Pessoas estratégica é fundamental para criar ambientes organizacionais mais saudáveis e sustentáveis, além de manter os profissionais satisfeitos e reduzir o índice de rotatividade. No entanto, para exercer bem essa função, é preciso que o gestor desenvolva soft skills específicas, como comunicação assertiva, liderança, inteligência emocional, gestão de conflitos e ética.

 

Os benefícios da Gestão de Recursos Humanos

O primeiro passo para que uma empresa se torne bem-sucedida é que ela atinja os seus objetivos. No entanto, isso dificilmente acontece quando as estratégias para este fim são baseadas em controle, cobranças ou na formação de ambientes de trabalho tóxicos e pouco estimulantes. Para que a empresa prospere, é necessário que o Capital Humano produza – e, para produzir da melhor maneira possível, é essencial que haja engajamento e motivação.

Como mencionamos, o RH é fundamental para costurar a relação entre uma empresa e seus profissionais, de forma que ambos possam colaborar a fim de atingir os objetivos em comum.

E é justamente intermediando essa relação e equilibrando os interesses envolvidos que o RH mostra sua importância. Dentre eles, destacamos:

Melhora no clima e na cultura organizacional

Com a utilização estratégica do RH, é possível criar ambientes em que a satisfação da empresa e dos colaboradores seja mútua. Por investir em formas de equilibrar os interesses de todas as partes que compõem uma empresa, a utilização eficiente desse departamento é fundamental para melhorar questões que envolvem o ambiente organizacional. Com ele, é possível formar equipes completamente alinhadas aos valores e às práticas defendidas pela empresa, diminuindo, assim, o espaço para conflitos e erros. O alinhamento também ajuda na construção de sinergia entre os colaboradores, o que é fundamental para criar um clima organizacional mais agradável e saudável.

O RH também é um dos maiores responsáveis pela manutenção da cultura em uma organização. Isso porque cabe a ele implementar ações que sigam as diretrizes estabelecidas, o que, em longo prazo, é essencial para que os valores definidos na cultura não se percam.

Employee experience

Employee experience, também conhecida como jornada do colaborador, é um termo utilizado para descrever a soma das vivências de uma pessoa enquanto funcionário de uma empresa. Dependendo da forma com que foi tratado e como o profissional se sentiu, essa experiência pode ser positiva ou negativa.

A employee experience diz muito sobre a postura de uma empresa e sobre a forma com que ela lida com os seus colaboradores. Quando há mais experiências negativas do que positivas em uma organização, os impactos diretos na sua reputação, o que pode até mesmo impedir novos talentos de se candidatarem às vagas abertas. Nesse contexto, o RH estratégico é fundamental para minimizar as experiências negativas e maximizar as positivas.

Employer branding

Employer branding é um conceito relacionado à reputação de uma empresa como marca empregadora. Ele consiste em uma série de práticas que visam a construir uma percepção da marca como um excelente lugar para trabalhar. Todavia, para que isso aconteça, é necessário ter profissionais satisfeitos e engajados dentro da empresa. Afinal, em tempos de redes sociais e reviews on-line, as avaliações, sejam positivas ou negativas, chegam rápido aos olhos e ouvidos de outras pessoas.

Marcas com um employer branding forte comumente conquistam mais respeito e atraem a atenção de mais profissionais dispostos a trabalhar na empresa. Por isso, é fundamental que a organização conte com o RH estratégico, a fim de fornecer a melhor experiência possível para os seus colaboradores.

 

Como fazer uma Gestão de RH estratégica e eficaz?

Como mencionamos, um RH estratégico busca alinhar a sua atuação com os objetivos da empresa. Por isso, é importante que todos os processos que envolvam o Capital Humano sejam impactados pelo setor – inclusive os mais específicos, como o desenvolvimento de profissionais promovido pela Gestão de Pessoas e as burocracias do Departamento Pessoal.

No entanto, ainda há muitas empresas que enxergam o Recursos Humanos como o setor exclusivamente administrativo que era algumas décadas atrás. Isso as impede de desfrutar da capacidade total do departamento, que deve caminhar de mão dadas com o planejamento estratégico da empresa.

Para realizar uma Gestão de RH estratégica, alguns passos são necessários. Dentre eles, destacamos:

Estar atento aos indicadores

Antes de participar efetivamente da tomada de decisão, é preciso que o RH tenha ciência dos objetivos, valores e da missão da empresa. Só assim, é possível criar o alinhamento necessário entre as ações e a organização para, então, planejar a atuação do RH. Depois que isso for feito, é importante que os profissionais de Recursos Humanos levantem informações sobre métricas e KPIs de cada área e, evidentemente, como os demais setores estão lidando com esses indicadores.

Em seguida, é fundamental analisar as informações para compreender em quais pontos e como o RH deve agir. Esse é o momento em que os KPIs da área de Gente & Gestão devem se alinhar com as de outros departamentos.

Articular as ações para alcançar os objetivos

Depois de traçado o panorama, é preciso articular as ações que devem ser realizadas. Elas podem variar bastante de acordo com as circunstâncias e, nem sempre, essas medidas serão óbvias para o RH – para resolver alguns problemas, será necessário fomentar hipóteses e testá-las. Por exemplo, se o objetivo da empresa for reduzir o turnover, uma hipótese para a solução pode ser a otimização do Recrutamento e Seleção e a oferta de benefícios mais competitivos.

Uma vez que a hipótese é criada, é preciso pensar em ações para testá-la. Nesse exemplo, uma medida seria realizar processos de R&S baseados em análises comportamentais, como faz a plataforma Etalent PRO, para aumentar o fit entre os candidatos e as vagas oferecidas. Além disso, o RH poderia buscar parcerias para oferecer benefícios melhores, como com academias, universidades e cursos.

Coletar e analisar dados

Os dados são uma parte importante desse processo. Eles não apenas são grandes indicadores de pontos que precisam de atenção, como também são fundamentais para medir a eficiência das ações propostas. Por isso, é importante que o RH aplique o People Analytics, coletando informações com regularidade e as organizando, a fim de apresentar à liderança como as medidas impactam os objetivos definidos pela empresa. No caso do alto índice de turnover, por exemplo, uma boa utilização dos dados seria apresentar à gestão um panorama sobre como a lucratividade da empresa é negativamente afetada com a grande rotatividade de profissionais.

Acompanhar os resultados

Aplicar essas ações, no entanto, não basta. É preciso monitorar seus resultados com o objetivo de acompanhar o rendimento dos demais departamentos e, também, como forma de garantir que os objetivos continuem sendo atingidos. E, quando há esse cuidado, é sempre possível realizar ajustes de rota, no caso de resultados aquém do esperado.

Investir em tecnologia

A tecnologia é uma aliada fundamental para que o RH seja capaz de realizar os procedimentos de forma efetiva e estratégica. Atualmente, há muitas ferramentas capazes de ajudar em tarefas como organizar rotinas, melhorar a comunicação, viabilizar treinamentos (principalmente de forma remota) e até mesmo otimizar os processos complexos que envolvem a Gestão de Pessoas.

O Etalent PRO é uma plataforma de gestão do comportamento capaz de otimizar processos de Recrutamento e Seleção a partir do comportamento de cada candidato. Utilizando os princípios da Metodologia DISC, uma das ciências comportamentais mais importantes do mundo, a ferramenta avalia os possíveis colaboradores e gera relatórios detalhados sobre suas principais características e competências comportamentais. Assim, os recrutadores conseguem ver, de maneira clara e objetiva, se aquele candidato é adequado para realizar a função pretendida. E a usabilidade não se limita à triagem: o Etalent PRO também pode ser usado para formar equipes otimizadas, realocar candidatos internamente e até mesmo criar cargos a partir dos requisitos técnicos e comportamentais desejados.

O investimento em tecnologia também ajuda muito na realização de cursos e treinamentos. ESSENTIA, a Formação Comportamental DISC ETALENT, curso onde o foco é transformar uma pessoa em um profissional da gestão comportamental, também conta com plataformas de ensino on-line, além de encontros ao vivo para a construção coletiva de conhecimento. O curso oferece um conteúdo valioso para os profissionais de RH que desejam aprimorar as habilidades e evoluir em suas carreiras.

A gestão estratégica de RH vem se tornando cada vez mais importante para o sucesso das organizações. Todavia, para que isso seja possível, é fundamental estar atento para não restringir o setor a burocracias, extraindo dele seu máximo potencial. Afinal, o RH lida diretamente com as pessoas de uma organização, e é justamente ao investir nelas que as empresas conseguem seus melhores resultados.

Precisa de ajuda para implementar uma Gestão de RH estratégica? العاب مربحة على النت

Fale com um Consultor ETALENT!